Definitivamente, o carnaval de 2021 não será como nenhum daqueles que já passaram. Assim como Salvador, primeira capital a decidir oficialmente que a maior festa popular do país não será realizada, o Rio de Janeiro não terá desfiles das escolas de samba em fevereiro do próximo ano.

A decisão foi anunciada na noite de quinta-feira (24), na sede da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), responsável por organizar os desfiles do Grupo Especial do carnaval carioca. Sem vacina para combater a Covid-19, os dirigentes preferiam não realizar os desfiles.

"É cada vez mais difícil ter Carnaval sem vacina. Desde julho, não temos segurança de que haverá e não tem como falar em Carnaval. Em função de toda essa insegurança, concluímos que esse processo tem que ser adiado. Estamos em permanente reunião. Não decidimos por cancelamento, mas, nesse momento, para fevereiro o desfile das escolas de samba não tem como acontecer", afirmou Jorge Castanheira, presidente da Liesa. O dirigente destacou ainda que, financeiramente, se torna inviável.

“As escolas já não vão ter tempo nem condições financeiras e de organização de viabilizar até fevereiro. Vamos continuar lutando, buscando alternativas para encontrarmos um projeto nosso que permita que as escolas de samba possam fazer algum processo alternativo aos desfiles que acontecem em fevereiro para também não prejudicar o carnaval de 2022."

Data limite

Em julho os 13 presidentes das agremiações do Grupo Especial se reuniram para debater os efeitos da pandemia no Carnaval. Na ocasião, estimava-se que até setembro, a pandemia seria minimizada, o que não aconteceu. Este era o mês decisivo para se ter uma definição se poderia ser feito o carnaval em fevereiro. A grande maioria dos sambistas concordou com a decisão.